sábado, 17 de dezembro de 2016

Pinheiro de Natal
Conta uma antiga lenda, quando o menino Jesus nasceu, todas as pessoas ficaram alegres.
Perto do estábulo onde dormia o menino Jesus, num berço de palha, havia três árvores: uma palmeira, uma oliveira e um pinheirinho.
Vendo as pessoas dos arredores que iá e voltava, passando embaixo dos seus galhos levando presentes, as três árvores quiseram também presentear.
- Eu vou dar a minha palma maior, a mais bela para que ela abane docemente o bebê, disse a palmeira.
- Eu vou apertar as minhas olivas e elas servirão para amaciar seus pezinhos, disse a oliveira.
- Eu eu? Que posso dar? Perguntou o pinheirinho.
- Você. Responderam as outras; você não tem nada para dar. Suas agulhas pontudas poderiam picar o menino Jesus.
O pobre pinheirinho sentiu-se muito infeliz e respondeu tristemente:
- É mesmo, vocês tem razão: não tenho nada para oferecer.
Um anjo que estava ali perto, escutou a conversa e teve pena do pinheirinho, tão humilde, tão triste, que nada podia fazer porque nada possuía.
Lá no céu, as estrelinhas começam a brilhar. O lindo anjinho olhou para o alto e chamou-as. No mesmo instante elas desceram, com boa vontade e foram colocar-se sobre os ramos do modesto pinheirinho que ficou todo iluminado.
Lá no bercinho, dentro do estábulo, o menino Jesus acordou feliz ao ver   as folhas escuras do pinheiro que brilharam, resplandecentes, porque nelas as estrelas descansavam, iluminando a escuridão da noite. 

É por isso que as pessoas, até hoje, enfeitam com luzes o pinheiro, no Natal.